Escrito em por , na categoria Consumo e Produção Sustentáveis.

Muito se fala em programas de coleta seletiva e logística reversa. Mas qual a importância de adotar estas ferramentas para a sociedade e o meio? É o que iremos discutir nos próximos tópicos abaixo, claro, de maneira resumida. E a primeira pergunta que fica é: porque separar o nosso lixo? (se é que o lixo é realmente lixo)

Porque separar?

Cada tipo de resíduo tem um processo próprio de reciclagem. Na medida em que vários tipos de resíduos sólidos são misturados, sua reciclagem se torna mais cara ou mesmo inviável, pela dificuldade de separá-los de acordo com sua constituição ou composição.

O processo industrial de reciclagem de uma lata de alumínio, por exemplo, é diferente da reciclagem de uma caixa de papelão.

Por este motivo, a Política Nacional de Resíduos Sólidos estabeleceu que a coleta seletiva nos municípios brasileiros deve permitir, no mínimo, a segregação entre resíduos recicláveis secos e rejeitos.

Os resíduos recicláveis secos são compostos, principalmente, por metais (como aço e alumínio), papel, papelão, e diferentes tipos de plásticos e vidro.

Já os rejeitos, que são os resíduos não recicláveis, são compostos principalmente por resíduos de banheiros (fraldas, absorventes, cotonetes, cinzas contaminadas de industrias…) e outros resíduos de limpeza e processos produtivos.

Há, no entanto, uma outra parte importante dos resíduos que são os resíduos orgânicos, que consistem em restos de alimentos e resíduos de jardim (folhas secas, podas…). É importante que estes resíduos não sejam misturados com outros tipos de resíduos, para que não prejudiquem processos de reciclagem, e também, para que os resíduos orgânicos possam ser reciclados e transformados em adubo de forma segura por algum processo mais simples, como a compostagem.

Quando esta coleta mínima existe, os resíduos recicláveis secos coletados são geralmente transportados para centrais ou galpões de triagem de resíduos, onde os resíduos são separados de acordo com sua composição e posteriormente vendidos para a indústria de reciclagem.

Os resíduos orgânicos são tratados para geração de adubo orgânico e os rejeitos são enviados para aterros sanitários.

Gerenciamento de resíduos sólidos

Gerenciamento de resíduos sólidos é o conjunto de ações exercidas, direta ou indiretamente, nas etapas de coleta, transporte, transbordo, tratamento e destinação final ambientalmente adequada dos resíduos sólidos e disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos, de acordo com plano municipal de gestão integrada de resíduos sólidos ou com plano de gerenciamento de resíduos sólidos, exigidos na forma desta lei.

Coleta Seletiva

Coleta seletiva é a coleta diferenciada de resíduos que foram previamente separados segundo a sua constituição ou composição. Ou seja, resíduos com características similares são selecionados pelo gerador (que pode ser o cidadão, uma empresa ou outra instituição) e disponibilizados para a coleta separadamente.

De acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos, a implantação da coleta seletiva é obrigação dos municípios e metas referentes à coleta seletiva fazem parte do conteúdo mínimo que deve constar nos planos de gestão integrada de resíduos sólidos dos municípios.

Logística Reversa

Segundo a Politica Nacional de Resíduos Sólidos, define-se logística reversa como um instrumento de desenvolvimento econômico e social caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos, ou outra destinação final ambientalmente adequada.

Em termos gerais, a logística reversa é uma mecanismo de reabsorção de produtos por conta dos fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes, estruturando sistemas que possibilitem o retorno destes produtos ao setor empresarial, para que sejam reinseridos no ciclo produtivo ou para outra destinação ambientalmente adequada.

Enquanto a coleta seletiva é uma obrigação dos titulares dos serviços de manejo de resíduos sólidos (poder público ou privado), a logística reversa é uma obrigação principalmente do setor empresarial pois, em geral, tratam-se de resíduos que apresentam possibilidade de reutilização no clico produtivo, ou apresentam periculosidade.

E você gestor que tem por objetivo a implantação da gestão de resíduos, nos contate, agende uma reunião.

Referências: www.mma.gov.br