Escrito em por , na categoria Energia Limpa e Acessível.

celesc painéis fotovoltaicos

Painéis fotovoltaicos domésticos, um Programa de Eficiência Energética

Após o sucesso do projeto bônus eficiente, um programa de incentivo, que substituiu mais de 70 mil eletrodomésticos antigos por modelos novos e mais eficientes com 50% de desconto em relação ao preço de mercado. A Celesc (Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A.) lança o projeto bônus fotovoltaico, que seguirá os moldes de desconto do seu antecessor, com descontos de até 60% na compra de painéis fotovoltaicos domésticos.

O Bônus Fotovoltaico é mais uma iniciativa do Programa de Eficiência Energética da Celesc, o PEECelesc, que está ganhando fama em todo o País por conta dos benefícios econômicos aliados aos ganhos sociais e ambientais, de forma sustentável.

“Nosso objetivo é o de levar aos consumidores propostas inovadoras para geração de energia elétrica e, ao mesmo tempo, possibilitar redução do custo da energia no orçamento das famílias e difundir o uso seguro e racional deste insumo que é fundamental para o desenvolvimento econômico de toda a sociedade”, destaca o presidente da Empresa, Cleverson Siewert.

Como funcionará o bônus fotovoltaico?

Mediante a aquisição do sistema fotovoltaico oferecido pelo projeto, o consumidor vai gerar energia para o consumo da residência, e o excedente da geração, será introduzido no sistema de distribuição e revertido em crédito para o consumidor. Este crédito pode ser utilizado para pagar a energia consumida na residência com o sistema fotovoltaico, ou em qualquer outra unidade, desde que seja de mesma titularidade, e que esteja conectada ao sistema da Celesc.

O custo será de R$ 11,9 milhões, terá uma contrapartida dos clientes de R$ 6,7 milhões, e cada consumidor pagará, pelo sistema instalado, R$ 6,68 mil. Este valor equivale a 40% do material dos sistemas fotovoltaicos, o restante, assim como todo o serviço, serão pagos pelo Programa de Eficiência Energética da Celesc. 

A estimativa de geração dos sistemas oferecidos pelo projeto deverão será de aproximadamente 280 kWh/mês, em condições ideais.

“O retorno do investimento para o consumidor final é de três a quatro anos, com a vida útil dos equipamentos de 25 anos”, destaca o coordenador do peeCelesc, Marco Aurelio Gianesini.

Além dos benefícios de adquirir os sistemas, o projeto promove a descentralização da distribuição da rede, reduzindo os gastos e ineficiências diretas deste sistema, além de ser uma tecnologia de baixo impacto, e contribuir, em escala nacional, para as metas climáticas de redução de emissões de CO2 e geração de energias por fontes alternativas.

O estado de Santa Catarina, atualmente, possui uma potência instalada em geração distribuída de 5,8 MW. O projeto será responsável pela instalação de outros 2,6 MW, cerca de metade do que é gerado hoje, colocando o estado na vanguarda deste tipo de geração.

Requisitos para participar do Projeto

Para participar, o consumidor residencial deve ser adimplente com a Celesc e fazer a inscrição via internet. O processo leva em consideração alguns critérios, caso todos os requisitos sejam atendidos, o consumidor entra para a lista de instalação.

A residência deve ter área mínima de 20 m² disponível no telhado para instalação dos painéis fotovoltaicos, livre de sombreamentos, orientação do telhado voltada para o Norte, com desvio admitido +/- 30°, inclinação do telhado de 15° a 25° em relação ao plano horizontal e consumo médio superior a 350 kWh nos últimos 12 meses. Além de ter disponibilidade de recurso para contrapartida e acesso à rede de internet. Cada cliente poderá se inscrever para receber um sistema de 2,6 kWp.

Até o final do ano, o projeto não estará a disposição para os interessados. A primeira parte do projeto consiste na criação de uma ferramenta digital de comercialização. Quem desejar adquirir os sistemas fotovoltaicos deverá sinalizar interesse por meio do site do programa. A instalação dos painéis nas residências será realizada após validação técnica do local. Para mais informações, acompanhe as atualizações do projeto no site da Celesc.